segunda-feira, 25 de junho de 2012

Série Festas Juninas - Pé de moleque

Seguindo com a Série "Festas Juninas" O Culinária & História traz mais uma receita bem tradicional dessa época do ano: o pé de moleque.






O doce é feito com amendoim torrado e rapadura. A cidade de Piranguinho - Minas Gerais, promove anualmente um evento onde faz o maior pé de moleque do mundo. No ano passado ele mediu 16 metros, este ano o evento ainda não ocorreu.


A iguaria chegou primeiramente à Europa, levada pelos árabes em incursões à península itálica e à península ibérica. Antes de surgir, foram criados outros doces: o Nougat - francês; o Turrón - espanhol entre outros. Aqui no Brasil o doce chegou em meados do séc. XVI com o advento da cana-de-açúcar à Capitania de São Vicente, trazida por Martin Afonso de Sousa.






Agora já conhecida a história dessa delícia, vamos à receita tradicional.


Ingredientes:



3 xícaras de amendoim torrado e moído
3 xícaras de açúcar
1 1/2 xícaras de leite


Modo de preparo:



Leve tudo ao fogo, mexendo sempre, até desgrudar da panela
Despeje em mármore e espere esfriar e endurecer
Corte em pedacinhos

Já conhecida a receita tradicional, vamos à uma receita mais elaborada.






Ingredientes:



3 xícaras de açúcar
1 lata de leite condensado
½ quilo de amendoim (com as peles)
2 colheres de sopa de Nescau
1 colher de sopa de manteiga


Modo de preparo:



Misture à parte: leite condensando, Nescau e manteiga – reserve.


Unte um tabuleiro e reserve.


Coloque numa panela bem grande o açúcar misturado com o amendoim (com pele e tudo) para cozinhar em fogo médio. Mexa a mistura até que o açúcar derreta (fica meio caramelo). Quando já estiver derretido junte a mistura do leite condensado. Para isso use uma colher de pau grande porque a mistura sobe fervendo (como se fosse um brigadeiro mole efervescente) e você pode queimar as mãos. Ao misturar desligue o fogo e bata (misture com vigor) por uns 10 a 15 minutos. Despeje, então, a mistura no tabuleiro untado. Quando começar a endurecer marque os retângulos dos doces. Espere esfriar de vez e tire os retângulos.


Gostou dos nossos posts? Envie-nos sugestões para culinariaehistoria@gmail.com, curta a nossa página no facebook e Siga-nos no twitter: